quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

As palavras e o silêncio se completam de um jeito mágico no final de cada frase. É como se o tudo e o nada se encaixassem, parece uma moldagem com o sim e o não se divertindo como irmãos. O talvez e o com certeza se distanciam ou se encontram dependendo da situação, assim como os irmãos sim e não. E é falando de palavras e silêncios que eu me lembro do que eu nunca pude esquecer, aquele eu te amo que eu você me disse no silêncio que antecede o beijo, aquele eu te amo não dito por palavras e sim pelo silêncio do olhar, daqueles que ninguém pode negar mas também não se pode provar. Eu sei que você ainda guarda milhares desses pra mim.

O silêncio recebendo as palavras sinceras é como o vento e o mar que se ajudam para formar as mais belas ondas, é como a espuma e a prancha, que uma sobre a outra desmancham a perfeita imperfeição que vem direto do seio da natureza para a superfície num terral de direita transformando o mar num emarranhado de espuma e água agitada onde loucos como eu curtem sua insanidade tranquilamente. São essas perfeitas imperfeições que tranquilizam as palavras e o silêncio que teimam em se esconder na alma que dizem ser minha mas que só tem olhos para você.

Câmbio, desligo.

4 comentários:

  1. Os olhares, dizem milhões de palavras, palavras que talvez muitas palavras não saibam expressar.
    Lindo texto poetico.
    bjos meus

    ResponderExcluir
  2. Que texto perfeito!!!!As vezes eu gostaria de ter coragem de expressar essas palavras,mas para aquela pessoa que eu realmente quero que as ouça!
    Desculpa ter ficado um tempão sem visitar seu blog,viu?Eu não me esqueci de vc,só tava sem tempo de mexer muito no blog esses ultimos dias!!!Desculpa!!
    Você continua de parabens pelo seu blog!!!
    bjO!!!!
    =*

    ResponderExcluir
  3. Sensacional. Gostei muito do texto.

    abraços


    Hugo

    ResponderExcluir
  4. Amei seu texto e seu blog , agora que o descobri vou visita-lo sempre ,
    Bjoos ;s

    ResponderExcluir